A cura do Diabetes pela Alimentação Viva

A cura do Diabetes pela Alimentação Viva

Dr. Brian M. Connolly *

O diabetes é um sintoma da Cultura da Morte, que traduz uma perda gradual da nossa inteligência e capacidade de amar, que hoje atinge a população mundial, ou seja, trata-se de uma verdadeira pandemia. Os ensinamentos do Dr. Gabriel Cousens adquiridos e praticados ao longo de 30 anos, materializados neste livro, é uma ode que nos magnetiza e nos chama para o retorno à Cultura da Vida. Dr. Gabriel Cousens.

A resenha abaixo foi escrita pelo Dr. Brian M. Connolly*, um ex-diabético tipo 2. Ela nos induz a pensar que este livro está dedicado à cura somente do diabetes tipo 2. Entretanto, eu li este livro, e pretendo reler muitas vezes, porque é um néctar para todo Ser humano que deseja mais saúde e luz e, ele garante a cura de quase 100% do diabetes tipo 2 em seu programa de 21 dias. Aliás, tem muitos casos que já alcançam taxas de glicose < 100 mg/l em 1 semana. Mas, o índice de cura ou redução de uso de insulina é da ordem de 80% em diabéticos tipo 1. Casos mais crônicos e graves alcançam a cura em 4-5 meses. Conceição Trucom.

Nós, os mais diretamente afetados pelo diabetes - tipo 1 e tipo 2 que são cerca de 250 milhões em todo o planeta-, podemos dizer que somos afortunados pelo surgimento de um li­vro que afirma em linguagem clara e precisa que existe de fato a cura para essa doença. A vocês, os outros milhões que brincam com a possibilidade de desenvolvê-la, está sendo dada de presente a prevenção em forma de livro, uma prescrição que, se seguida, garantirá a manutenção de sua saúde e bem estar por muito tempo.

O autor, Gabriel Cousens, é um médico extraordinário, que tem agido com coerência há décadas como figura de prestígio na área da saúde. Graças ao trabalho de sua vida e aos passos delineados neste livro, consegui sair de uma situação perigosa de um diabetes tipo 2, com taxa de glicose de 292, para uma taxa de 113, sem insulina, em apenas nove dias. Sei que parece espantoso e até difícil de acreditar. Mas garanto que não apenas aconteceu como foi documentado. E o mais importante: você pode realizar o feito e melhorar sua qualidade de vida, seja em nove, 21 ou 30 dias, como recomenda­do nas páginas deste livro: A cura do Diabetes pela Alimentação Viva (Alaúde).

Para cada um de nós há dias cruciais, sinais que mudam a direção de nossa vida e nos marcam para sempre. Para mim, esse dia foi 14 de setembro de 2006, quando recebi o que para muitos é uma condenação à prisão per­pétua. Eram 16:40h, e eu estava ao telefone com um especialista em diabetes, o respeitado doutor William Kaye, formado na Faculdade de Medicina de Harvard e fundador e diretor de uma das maiores clínicas de tratamento para essa doença dos Estados Unidos. Ele me informou que eu havia entrado oficialmente para a lista de seus quase 18.000 pacientes como um recém-diagnosticado: diabético do tipo 2.

Quando se ouve algo do gênero pela primeira vez, uma coisa esquisita acontece. Há uma sensação de que o mundo parou - e, esperançosa­mente, um sinal de alerta. Quando você conta que tem diabetes a seus parentes, amigos e pessoas próximas, essa pausa é ainda maior. Pode-se quase sentir o cheiro do medo neles, como se tivessem descoberto que alguém muito querido está para morrer. No meu caso, até me senti en­vergonhado por ter ficado diabético, pois me considerava um especialista secundário nessa doença.

Eu tinha sido vice-presidente da Diabetes Research and Wellness Foun­dation, instituição sem fins lucrativos que havia arrecadado 30 milhões de dólares, 90% dos quais direcionados para pesquisas e programas de educa­ção. E ocupara uma cadeira no conselho de diretores do Instituto de Pesquisa do Diabetes da Universidade de Miami, cujo orçamento anual era de 20 milhões de dólares. Nessa época, trabalhava todos os dias com as principais associações e companhias farmacêuticas e de produtos para diabéticos, entre as quais a Associação Americana de Diabetes, a Juvenile Diabetes Reasearch Foundation, a Bayer, a Eli Lilly e a Pfizer, além de mestres na área. Esses grupos forneciam aos diabéticos insulina, medicamentos, seringas, medido­res de glicose, revistas, informativos, livros e enfermeiros capacitados para tratar a doença. O que me chama a atenção agora é como, na época, todos pareciam se empenhar tanto em vender seus produtos e serviços, ou em arre­cadar dinheiro, em vez de promover o entendimento da causa e da urgência da prevenção e reversão do diabetes, como faz o doutor Cousens neste livro.

O Instituto de Pesquisa do Diabetes da Universidade de Miami estava voltado à criação de um novo doutor Frankenstein, transplantando células de porcos em pessoas a um custo exorbirante para a sociedade e para os pa­cientes, tanto financeiramente quanto no que se refere à saúde. Imagine o que pensam desse procedimento os mais de 50 milhões de diabéticos judeus e muçulmanos que não consomem carne de porco.

O mais traiçoeiro nesse protocolo fracassado foi que os envolvidos se vangloriavam por ter livrado os pacientes da insulina, enquanto faziam algo muito mais nocivo: realizavam cirurgias invasivas, colocavam partes de por­cos em órgãos humanos e entupiam os pacientes com drogas imunossupressoras para impedir a reação natural do organismo de rejeitar as células suínas implantadas. Essas células destruíam então as células saudáveis do corpo, enfraquecendo o sistema imunológíco do paciente e deixando-o vulnerável a diversas doenças. E eles ainda tinham a coragem de se referir a tal procedi­mento como uma cura. Foi meu primeiro e último dia como membro desse conselho, pois não podia, em sã consciência, apoiá-los de maneira alguma.

Por experiência própria, posso dizer que uma porção de gente está ga­nhando muito dinheiro à custa desses inocentes ratos de laboratório co­nhecidos como diabéticos. Causa alguma surpresa que, em se tratando de resultados positivos - a reversão de fato da doença e o número cada vez menor de pessoas diagnosticadas —, todas essas companhias, institutos de pesquisa, fundações e associações tenham fracassado vergonhosamente? Quando abri o escritório da Diabetes Research and Wellness Foundation, em Palm Beach, em 2000, estimava-se que 200 milhões de casos haviam sido diagnosticados no mundo todo. Em apenas sete anos, esse número aumentou em praticamente 50 milhões. Isso é o que o Centro de Controle e Prevenção de Doenças — cdc chama de epidemia. O mais trágico é que é uma epidemia totalmente evitável, como você descobrirá neste livro. E, quando seguir as recomendações do doutor Cousens, você não só se tornará uma pessoa mais saudável, como muito provavelmente ficará livre da doença pelo resto da vida.

Você deve estar pensando que essas organizações voltadas para o diabetes, que representam bilhões de dólares, hoje se dão conta de que sua abordagem não teve sucesso. Durante o tempo em que fiz parte do conselho de uma delas, percebi que essas instituições estão mais interessadas em se perpetuar e arrecadar dinheiro do que em encontrar o caminho para a prevenção ou uma cura não invasiva e de custo viável. Os diabéticos são entupidos de medica­mentos, arruinados financeiramente e sujeitos a mais amputações do que os portadores de qualquer outra doença. Muitas vezes, ficam cegos e morrem cedo, tudo porque os incentivos para acumular dinheiro são sedutores de­mais para a indústria do diabetes fazer a coisa certa.

No outro extremo, o Dr. Gabriel Cousens não desperdiçou dinheiro algum, não sobrecarregou o contribuinte e foi praticamente 100% bem sucedido sem o uso de medicamentos nem efeitos colaterais. Posso dizer com segurança que, se a indústria do diabetes parasse de desperdiçar todo o seu di­nheiro e recursos em pesquisas inúteis e protocolos equivocados e antiquados e simplesmente adotasse as técnicas e os protocolos deste livro, o diabetes tipo 2, que acomete quase 99% de todos diabéticos, seria erradicado para sempre!

Dessa forma, parabenizo você que investir seu tempo e dinheiro adquirindo o livro A cura do diabetes pela alimentação viva. Faça dele seu companheiro, escreva comentários nele, marque as páginas de seu interesse, compartilhe seus trechos preferidos e estatísticas com sua família e amigos. E, quando se curar, ou integrar ao seu estilo de vida as medidas pre­ventivas propostas, por favor, dê o próximo e mais importante passo: conte a seus amigos diabéticos e profissionais da área que agora existe uma cura - e que você é a prova viva disso. 

* Esta resenha foi escrita pelo Dr. Brian M. Connolly, MD, como Prefácio do livro A cura do Diabetes pela Alimentação Viva - Dr. Gabriel Cousens - Alaúde. Ele é médico anestesista, fundador e CEO da Healthful Communications, Inc. 

Leia também: Os 7 estágios da doença fantástico texto escrito pelo Dr. Cousens.


 Convido você para ser nosso Assinante Doce Limão, onde serão inúmeras as vantagens e ainda ajudará na sustentabilidade do Doce Limão. Todos saem ganhando: crescidos, fortalecidos!

Confira também em nossa AGENDA todas as Oficinas, Cursos e Palestras 

Lançamento: edição revisada e ampliada do livro O poder de cura do Limão

Todos os títulos

Siga-nos no Facebook