Apendicite em crianças?

Apendicite em crianças?

Audrey de Cassia Campos*

Posso dizer que tive uma alimentação relativamente ‘de bem com a natureza’ quando criança. Morava em um sítio, onde éramos supridos de todos os elementos necessários para uma boa alimentação. Lembro-me até hoje de ver minha mãe comendo, de tão fresquinhos, alguns legumes ainda no pé da horta: quiabo, vagem, etc.

Não tínhamos uma condição financeira que nos permitisse grandes extravagâncias. Assim, a carne era das galinhas, as frutas apenas as da estação. Bolo de milho ou curau só em janeiro ou fevereiro. E assim fui me desenvolvendo conforme o que nos doava a natureza, com suas estações.

Quando vim para São Paulo para cursar a faculdade de enfermagem, me deparei com várias doenças infantis que imaginava ocorrer apenas em adultos, salvo raríssimas exceções. E a mais impressionante delas foi a inflamação do apêndice: a apendicite. Quando aguda, se não socorrido a tempo, geralmente o paciente passa por uma extração cirúrgica, caso contrário, ela é responsável por elevada morbidade.

Em um hospital do ABC paulista onde tive a oportunidade de trabalhar na ala pós-cirúrgica pediátrica, em uma semana normal de trabalho, eram operadas de 4 a 5 crianças com apendicite. O que mais me impressionava era a idade dessas crianças: de 4 a 7 anos.

Lembro que nesta idade minhas únicas “anormalidades” eram joelhos esfolados e um pulso “aberto” por cair de bicicleta.

Na época, não tive a oportunidade de aprofundar os estudos do motivo que levavam aquelas crianças, tão precocemente, à sala cirúrgica. Mas em conversas com médicos e enfermeiros pediátricos, ficou muito claro que o motivo era a péssima alimentação das crianças, baseada em muito açúcar e gordura: poucas fibras.

Hoje, passados mais de dez anos e, sabendo que o quadro alimentar infantil não deve ter melhorado neste período, me faço as seguintes indagações:

- Como introduzir um novo conceito alimentar para uma criança que está cercada por tantas guloseimas e “gostosuras” nefastas para serem digeridas? Alimentos vazios...

- Como fazer os familiares entenderem que essa “nova” maneira de alimentar uma criança não a deixa com vontade de mastigar frutas, saladas e legumes? Já vem tudo refinado, processado, colorido e aromatizado...

Não estou tentando aqui fazer uma dissertação acadêmica, mas uma reflexão, sobre como em poucos anos conseguimos desarranjar tanto um organismo, de forma a ser obrigado a fazer um processo operatório, uma mutilação, antes mesmo de completar os 7 anos de vida?

Então: como podemos fazer o “caminho de volta”?

Essa jornada não é apenas do paladar, mas uma verdadeira mudança dos hábitos alimentares, mentais e éticos.

Posso dizer que estou re-iniciando esta jornada, um reencontro com uma velha amiga, da qual nunca deveria ter se afastado: a natureza. E desta forma vou buscar responder as questões que fiz acima. Em outras palavras, tentarei reencontrar minha essência, através de uma alimentação mais “limpa, viva e vital”, para assim conseguir passar para meus filhos e familiares, que a natureza nos nutre de tudo o que necessitamos para uma vida plena e cheia de alegria: naturalmente! 

Nota: como os médicos de formação ortodoxa ainda não encontraram uma função clara para o apêndice, consideram um procedimento ‘natural’ a sua extração. Até porque quando a apendicite acontece é o único que se pode fazer para evitar uma infecção generalizada do abdômen.

Contudo, hoje já se vislumbra que a extração de amígdalas e apêndice gera conseqüências sim, como por exemplo, se extraídas antes dos 20 anos, maior probabilidade (em torno de 50%) de ataques cardíacos na idade adulta.

O apêndice intestinal é uma bolsa em forma de um dedo de uma luva, localizado no intestino grosso, que tem as mesmas funções na Medicina Tradicional Chinesa e na fisiologia ocidental: receber alimentos do intestino delgado, separar os fluídos e liberar o restante como resíduos. Geralmente, as disfunções no intestino grosso envolvem um transtorno em uma dessas atividades, normalmente devido a hábitos alimentares inadequados.

Outro dado triste é que se considera normal ter apendicite na adolescência (não na infância como constatado por mim fazem 10 anos atrás). Não seria muito mais educacional ensinar às nossas crianças, futuros adolescentes e adultos, bons hábitos alimentares, como o consumo saudável de fibras, ricamente presente nas frutas, folhas, legumes, sementes e cereais integrais? Que junto com a boa mastigação destes alimentos vivos, integrais, naturais, seriam uma bela prevenção para nos salvaguardar de inúmeros problemas digestivos e metabólicos?

Leia também: Alimentos refinados e nossas crianças

Assista TV De Bem com a Natureza 10 - Óleos Isolados 

Recomendo a leitura na íntegra do livro De BEM com a Natureza - Cuidando do seu filho com a Alimentação Viva - Conceição Trucom - editora Alaúde. Um livro Especial Kids.  

(*) Audrey de Cassia Campos é formada em enfermagem e uma nova amante da alimentação viva. 


Assine o Doce Limão

1
mês
Assinatura mensal
R$ 20,00 /mês
Cobrança automática no cartão
Assinar
6
meses
Assinatura semestral
R$ 120,00
R$ 110,00
À vista no cartão ou boleto
Comprar
12
meses
Assinatura anual
R$ 240,00
R$ 200,00
À vista no cartão ou boleto
Comprar

 

Lojas Doce Limão

Os livros da Conceição Trucom e os produtos do Doce Limão podem ser encontrados em nossas lojas parceiras. Clique e adquira já.

 

Vamos ser amigos?

Inscreva-se para receber gratuitamente o Boletim Doce Limão e ainda leve de brinde a Apostila de Meditação, em formato PDF.

Se além disso você também deseja ter acesso a todos os nossos cursos online e conteúdos exclusivos, seja um Assinante Doce Limão. Clique aqui!

Siga-nos no Facebook

Clique aqui para conferir todos os eventos.

Comentários e perguntas

 Caro leitor,

Ficou com alguma dúvida sobre este artigo? A área de comentários e perguntas é exclusiva para assinantes Doce Limão. Por apenas R$ 20 mensais, você terá acesso a todo conteúdo exclusivo, como palestras, cursos online e muito mais, além de poder enviar perguntas, que serão respondidas pela Conceição Trucom e equipe.

 

Saiba mais e assine