Onde se concentra nosso lixo tóxico?

Onde se concentra nosso lixo tóxico?

Conceição Trucom*

Caso você tenha curiosidade em saber, as fezes saudáveis contêm aproximadamente 70% de água. Até dois terços de seu peso seco consistem em bactérias do intestino. Depois, há a bile e, obviamente, as fibras - cobertas por uma camada de muco do revestimento do cólon. Há também algumas substâncias que são tóxicas. Entre elas, as produzidas por determinadas bactérias intestinais e moléculas dos alimentos que não puderam ser absorvidos na longa jornada pelo sistema digestivo. 

A milenar Medicina Tradicional Chinesa tem como primeiro questionamento ao paciente que acaba de chegar ao seu consultório: Como está funcionando seu intestino? Muito tempo depois, no século XIX, os ocidentais começam a acreditar que as toxinas são absorvidas pelo organismo quando elas ainda estão no cólon. Naquela época, creditava-se às fezes muitas das doenças, senão todas.

Obviamente, quanto mais tempo as fezes ficam no cólon, mais toxinas serão absorvidas, o que supostamente explica por que as pessoas se sentem nauseadas quando constipadas.

Uma alimentação rica em fibras mantém a regularidade intestinal - a constipação praticamente não existe nos povos que consomem grande quantidade de frutas e hortaliças. Formando bolo fecal, as fibras provocam maior número de evacuações, o que, desde que apresentando consistência adequada, certamente é um benefício.

Assim, na década de 1930, médicos pesquisadores  começaram a sugerir que uma alimentação rica em fibras poderia ajudar a prevenir doenças que acometem o cólon.

Na década de 1960, um médico irlandês chamado Denis Burkitt propôs uma teoria revolucionária. Ele estava trabalhando em Uganda (África), onde as pessoas comiam muitas fibras e tinham o intestino regular, e pouquíssimas pessoas sofriam de câncer de intestino. No Ocidente, a incidência de câncer de intestino estava aumentando e havia pouquíssimas fibras na alimentação.

O Dr. Burkitt sugeriu que determinadas substâncias nos alimentos estariam causando câncer. Em Uganda, onde as dietas ricas em fibras significavam que nada ficava muito tempo no intestino, isso não seria um grande problema. No entanto, na dieta pobre em fibras do Ocidente, as substâncias causadoras de câncer (carcinógenos) ficavam mais tempo no intestino e seriam responsáveis pela maior incidência da doença. Além disso, como absorvem água no cólon, as fibras solúveis diluiriam as substâncias carcinogênicas, tornando-as menos potentes. Mais uma vez, isso se aplicaria aos ocidentais com dietas pobres em fibras.

Desde o estudo do Dr. Burkitt os cientistas descobriram vários possíveis candidatos a substâncias carcinogênicas. Sabe-se que alguns compostos presentes na bile, por exemplo, são carcinógenos. Existem, por exemplo, carcinógenos na carne e no peixe torrados. Em laboratórios, quando administrados a camundongos, esses compostos causaram câncer de intestino. E essas mesmas substâncias foram encontradas no intestino humano.

O câncer de intestino é chamado também de câncer de cólon. Começa quando as células do revestimento do cólon se multiplicam rápido demais e não morrem. Isso forma um pólipo, que pode vir a se transformar em um tumor canceroso. O tumor pode bloquear a passagem das fezes ou fazer com que surja sangue nas fezes. Este tipo de câncer se toma mais perigoso, entretanto, quando se espalha para outras partes do corpo (metásteses). 

O câncer de intestino é causado pelo rápido crescimento das células, normalmente no revestimento do cólon.

Na imagem ao lado, as células cancerosas, ou pólipos, aparecem em rosa. Elas estão se transformando em tumor, que se espalha sobre a parede do cólon, em marrom.

A cada ano, são identificados quase um milhão de novos casos de câncer de intestino no mundo inteiro. No Reino Unido, a doença ceifa 16 mil vidas/ano; nos Estados Unidos, são 50 mil.

O exame de colonoscopia, que é indicado pelos médicos (especialistas em gastroenterologia, deve ser realizado em pessoas com mais de 50 anos, quando pode reduzir estes números. E mais, se detectado precocemente, aumenta em 80% a taxa de sobrevivência à doença.

Dos vários estudos científicos fica a certeza de que diversos processos podem dar o pontapé inicial no câncer de cólon e; as fibras, de alguma maneira, o retardam ou previnem. É possível que uma substância química chamada butirato faça a diferença. Sabe-se que esta substância possui propriedades anticancerígenas e que é produzida durante a fermentação das fibras solúveis no cólon.

Obviamente, os efeitos anticancerígenos associados a uma alimentação rica em frutas e hortaliças, também ricas em antioxidantes e outras substâncias nutracêuticas, comprovadamente reduzem várias ameaças à saúde humana.

Assita: Vídeo - A saúde depende do estado do intestino

Leia também: O que são PREBIÓTICOS?
O que são PROBIÓTICOS?
Teste científico: as fibras regulam o trânsito intestinal? 

Texto extraído e adaptado por Conceição Trucom do livro A verdade sobre a comida - Jill Fullerton-Smith - editora Intrínseca.


 

Lojas Doce Limão

Os livros da Conceição Trucom e os produtos do Doce Limão podem ser encontrados em nossas lojas parceiras. Clique e adquira já.

 


* Conceição Trucom
 é química, pesquisadora, palestrante e escritora sobre temas voltados para alimentação natural, bem-estar e qualidade de vida. Possui 10 livros publicados, entre eles O Poder de Cura do Limão (Editora Alaúde), com meio milhão de cópias vendidas, Mente e Cérebro Poderosos (Pensamento-Cultrix) e Alimentação Desintoxicante (Editora Alaúde).

Reprodução permitida desde que mantida a integridade das informações e citadas a autora e a fonte: www.docelimao.com.br

Vamos ser amigos?

Inscreva-se para receber gratuitamente o Boletim Doce Limão e ainda leve de brinde a Apostila de Meditação, em formato PDF.

Se além disso você também deseja ter acesso a todos os nossos cursos online e conteúdos exclusivos, seja um Assinante Doce Limão. Clique aqui!

Siga-nos no Facebook

Clique aqui para conferir todos os eventos.

Comentários e perguntas

 Caro leitor,

Ficou com alguma dúvida sobre este artigo? A área de comentários e perguntas é exclusiva para assinantes Doce Limão. Por apenas R$ 20 mensais, você terá acesso a todo conteúdo exclusivo, como palestras, cursos online e muito mais, além de poder enviar perguntas, que serão respondidas pela Conceição Trucom e equipe.

 

Saiba mais e assine