Enzimas: um segredo de saúde e longevidade

Dr. Gabriel Cousens *

Tradução exclusiva para o Doce Limão por Fernando Trucco: Professional Translations **

O dr. Edward Howell, que muitos consideram o pai da pesquisa de enzimas alimentares no século XX, ressalta que as enzimas não são simples catalisadores químicos, mas têm essa força vital que inicia as interações bioquímicas. Ann Wigmore, a mãe do movimento de alimentos crus na América, diz que "a preservação de enzimas é o segredo para a saúde".

Dr. Howell, autor de dois livros - em 1941, Enzimas Alimentares para a Saúde e Longevidade, em 1981, Enzima e Nutrição, Me come Cru - ensinou dois conceitos fundamentais: (1) enzimas são fatores bioquímicos vivos que ativam e executam todos os processos biológicos. no corpo, como a digestão, os impulsos nervosos, o processo de desintoxicação, o funcionamento do RNA / DNA, a reparação e a cura do corpo e até da lucidez; e (2) a capacidade de um organismo de produzir enzimas é esgotável. Portanto, no nível biológico, a forma como utilizamos e reabastecemos nossos recursos enzimáticos será uma medida de nossa saúde e longevidade em geral. Entendendo como as enzimas funcionam, entenderemos por que é melhor comer uma porcentagem maior da oferta da mãe natureza “in natura”. 

O Stephen R. Spindler, biólogo e chefe técnico da BioMarker Pharmaceuticals Inc., é professor de bioquímica na Universidade da Califórnia, Riverside (EUA), realizou uma pesquisa, talvez, a primeira a mostrar que a restrição calórica pode realmente ligar os genes do rejuvenescimento e, literalmente, reverter o processo de envelhecimento. E mais, em apenas algumas semanas de prática!

Existem três grandes categorias de enzimas: metabólicas, que ativam todos os nossos processos metabólicos; digestivo, para a digestão de alimentos; e uma categoria relativamente nova, chamada enzimas alimentares. As enzimas alimentares estão presentes em todos os alimentos vivos e servem para ativar especificamente a digestão dos alimentos em que ocorrem. Existem cerca de 50.000 enzimas ativas no organismo humano. Aproximadamente 2700 a 3000 enzimas e suas funções foram identificadas. Cada órgão tem seu próprio conjunto de enzimas. Das mais de 50.000 enzimas, cerca de 24 são enzimas digestivas. Os três tipos principais de enzimas digestivas são proteases, que digerem proteínas; amilases, que digerem carboidratos; e lipases, que digerem gorduras. A Mãe Natureza trabalha em conjunto conosco adicionando o que chamamos de nosso ponto de vista centrado no ser humano “enzimas alimentares” para cada elemento vivo da natureza. Estas enzimas alimentares têm a proporção exata de proteases, amilases e lipases necessárias para iniciar a digestão do alimento para o corpo. 

Importância da Preservação da Enzima 

A relevância desse dom da Mãe Natureza torna-se mais óbvia quando exploramos o que o Dr. Howell chamou de Lei da Secreção Adaptativa de Enzimas Digestivas. Baseada em pesquisas da Northwestern University e confirmada por muitos outros pesquisadores, a Lei da Secreção Adaptativa propõe que o organismo vivo não segregará mais enzimas do que as necessárias para a digestão de um determinado alimento. 

Isso significa que se um alimento da Mãe Natureza entrar em nosso sistema em sua forma viva, preenchido exatamente com a proporção certa de enzimas alimentares para iniciar a digestão, resultará em menos enzimas digestivas sendo secretadas pelo nosso organismo para o processo digestivo. 

O significado da preservação da enzima e da Lei da Secreção Adaptativa torna-se ainda mais claro quando vemos o quanto o nosso nível de enzima está ligado à idade cronológica e à doença. Por exemplo, o Dr. Meyer e seus associados no Hospital Michael Reese de Chicago descobriram que a amilase na saliva de adultos jovens era trinta vezes maior do que em pessoas com uma idade cronológica de 69 anos. Dr. Eckardt na Alemanha descobriu que os jovens tinham 25 unidades de amilase na urina em comparação com 14 em idosos. Indivíduos com 27 anos de idade apresentaram ter o dobro da quantidade de lipase em relação às pessoas de 77 anos de idade.

Um menor teor de enzima também é encontrado em pessoas com doenças crônicas. Em pacientes japoneses com tuberculose, 82% apresentaram menor conteúdo enzimático que o normal. Em pacientes com doenças do fígado, todos tinham níveis mais baixos de amilase. No diabetes, descobriu-se que 86% dos diabéticos são mais baixos em amilase. Os pesquisadores também descobriram um nível reduzido de lipase em pessoas com obesidade, arteriosclerose e pressão alta. Direta e indiretamente, podemos ver como a preservação enzimática e a utilização harmoniosa são importantes para a saúde e a vitalidade. 

Evidências compiladas pelo Dr. Howell sugerem fortemente que a ingestão de alimentos desprovidos de enzimas como resultado do cozimento, irradiação de alimentos e microondas causa um aumento do pâncreas e também acentua as glândulas endócrinas associadas, como as glândulas supra-renais, pituitária, ovários e testículos. Em toda a natureza, o pâncreas humano é três vezes maior, em comparação com o peso total do corpo, do que o de qualquer outro animal. O que é interessante é que quando os ratos são alimentados com alimentos cozidos, a relação entre o peso do pâncreas e o peso total do corpo torna-se aproximadamente a do humano. Quando eles voltam para uma dieta de alimentos crus, o pâncreas encolhe de volta ao tamanho normal. A conclusão mais óbvia é que o pâncreas fica hipertrofiado, ou aumentado, porque é forçado a manter uma alta produção enzimática digestiva. 

Uma grande parte da energia do corpo entra no processo de digestão. Às vezes, muita energia é necessária para a digestão e tendemos a ficar sonolentos depois de uma refeição. Esta quantidade aumentada de energia implica que uma grande quantidade de enzimas é usada no processo digestivo. Alguns teorizam que, para manter a produção de enzimas, o pâncreas precisa extrair enzimas de outras glândulas corporais. Isso força essas outras glândulas a trabalhar demais e, eventualmente, ampliar para compensar a demanda. Esta hipertrofia começa principalmente com as glândulas endócrinas. A hipertrofia de uma glândula leva eventualmente ao seu esvaziamento adiantado. 

Como preservamos nossas enzimas? 

Comer alimentos crus é a atividade número um que preserva as enzimas e maximiza a saúde. É a dieta escolhida por todos os demais filhos da Mãe Natureza que habitam este planeta. Os animais que vivem em estado selvagem não sofrem de doenças degenerativas crônicas como os humanos e animais domesticados. É um fato notável que todas as outras espécies, sem exceção, comam seus alimentos crus, enquanto a esmagadora maioria dos humanos não. Quando os animais são alimentados com alimentos cozidos, eles também começam a sofrer doenças degenerativas crônicas. 

Os alimentos com maior quantidade de enzimas vivas são alimentos biogênicos, pré-digeridos e fermentados. Sementes que têm o maior conteúdo de enzimas são aquelas com um rebento de 1⁄4 polegadas. Alguns estimaram que o conteúdo de enzima é dez vezes maior neste estágio de brotação de 1⁄4 polegadas. Na Ásia, a ideia de fermentar a soja expondo-a à ação enzimática das plantas fúngicas é praticada há milhares de anos. As plantas fúngicas não apenas adicionam enzimas à comida, mas pré digerem a proteína, os carboidratos e os óleos. Missô, um produto de soja fermentado, e tempeh, um produto de soja com um fungo cultivado, são exemplos disso. Pode-se também produzir queijos crus, ricos em enzimas, fermentados e de nozes, através de um processo de fermentação. 

O jejum é outra maneira poderosa de conservar e redirecionar o potencial da enzima. Durante um jejum, deixamos de produzir enzimas digestivas e a energia enzimática é desviada para a esfera metabólica das operações, que inclui um aumento da taxa de autólise (quebra de células velhas), assim como a quebra e eliminação de depósitos de gordura, proteínas incompletas e outro material tóxico no sistema.

As enzimas se tornam um poder rejuvenescedor para nós. A especialista em alimentos crus e autora de Sobrevivência no Século XXI, Victoras Kulvinskas, sugere que, durante um jejum, nossas bactérias naturais do corpo têm uma oportunidade de adicionar muito mais de suas enzimas ao nosso sistema e, assim, aumentar nossa força enzimática total. Minha observação em guiar muitos jejuns individuais e realizar vários retiros de jejum espiritual por ano é que o jejum é uma maneira incrível de rejuvenescer nossa força vital. Quando jejuamos em água ou sucos, estamos dando um descanso substancial aos nossos sistemas de enzimas digestivas, e isso tira o fardo do nosso pool de enzimas. 

Não aos excessos: o segredo para a saúde, a longevidade e a preservação de enzimas 

Não comer demais alimentos crus é, por si só, outra maneira de conservar as enzimas. É diferente de um jejum ou dieta de baixas calorias obsessivo, que pode resultar em uma síndrome de privação física e mental. Não comer demais é o que chamo de arte de comer consciente. É aprender a tomar a quantidade certa de comida e bebida para apoiar nossas necessidades individuais em todos os níveis de nosso funcionamento espiritual e mundano. Pesquisadores mostraram que não comer em excesso aumenta a longevidade. O mundialmente famoso nutricionista Paavo Airola, Ph.D., proclamou que a dieta de baixas calorias é o mais importante segredo de saúde e longevidade.

Ele acreditava que comer demais, mesmo sendo alimentos saudáveis, ​​
era uma das principais causas de problemas de saúde. 

Jesus, em O Essênio Evangelho da Paz, Livro Um (p. 31), disse:
E quando você come, nunca coma até a plenitude. 

Moses Maimonides (1135- 1204), um dos mais célebres curandeiros e mestres espirituais judaicos, ensinou em sua Mishveh Torah: Comer demais é como um veneno mortal para qualquer constituição e é a principal causa de todas as doenças. 

Pesquisas em animais feitas pelo Dr. Clive McKay, da Universidade de Cornell, mostraram que quando a ingestão de alimentos era reduzida pela metade, a expectativa de vida dos ratos era dobrada e eles eram mais saudáveis. A vida útil do rato aumentou para o equivalente a aproximadamente 170 anos humanos. Na Brown University, os animais foram superalimentados e outro grupo foi colocado em uma dieta de quase fome. Aqueles na dieta esparsa viveram 40% mais tempo. Para aqueles que podem estar preocupados com o fato de estarem excessivamente comendo demais em detrimento de sua saúde, as pesquisas de Roy Walford e Richard Weindruch mostraram que se poderia prolongar a vida de animais até mesmo de meia-idade, subnutrindo-os. Alguns de seus camundongos viveram 40% mais e os peixes viveram três vezes mais, com uma dieta esparsa. Os pesquisadores também notaram que doenças degenerativas, como câncer e doenças cardíacas e renais, ocorriam com menos freqüência, e o surgimento dessas doenças ocorreu em uma idade mais avançada nos camundongos desnutridos. Esses pesquisadores até descobriram que o sistema imunológico dos camundongos estava rejuvenescido. 

Pelo que sabemos agora sobre a importância da preservação de enzimas, não comer demais, foco especial nos preparos e alimentos crus, refeições menos freqüentes, sem lanches entre refeições e jejum são maneiras efetivas de conservar enzimas e assim construir e manter uma alta qualidade de vitalidade e longevidade saudável. 

Suplementação enzimática 

Além de ingerir alimentos vivos e não comer em excesso, o uso de suplementação enzimática exógena é outra forma de acumular reserva de enzimas. Desde 1949, pesquisas suficientes documentaram que essas enzimas não são apenas ativas no sistema digestivo, mas aumentam a concentração no sangue após serem tomadas por via oral. 

Enzimas digestivas de plantas vivas podem ser a melhor fonte de suplementação enzimática. Eles parecem estar ativos em uma faixa de pH muito mais completa que as enzimas animais. Estas enzimas vegetais mostram alguma atividade no estômago, especialmente a enzima do estômago, e tornam-se imediatamente ativas no intestino delgado. Um estudo, publicado no Journal of Clinical Nutrition, descobriu que 70% da amilase vegetal é ativa no intestino delgado após ser ingerida por via oral. Por causa desses fatos, recomendo que as pessoas considerem o uso de enzimas digestivas de plantas para a suplementação digestiva. Eles são na verdade enzimas alimentares concentradas da natureza. Esta é uma notícia bem-vinda para aqueles que sentem que precisam de enzimas digestivas, mas que não gostam de comer produtos de pâncreas animal retirados de matadouros. Devido à versatilidade de sua atividade, a suplementação de enzimas digestivas de plantas pode eliminar o estresse de todo o sistema de enzimas digestivas. 

Razões para usar enzimas 

  1. Qualquer pessoa que coma alimentos cozidos, microondas ou irradiados deve tomar suplementos de enzimas alimentares para compensar as enzimas alimentares naturais que foram perdidas e destruídas anteriormente na alimentação. Essa abordagem ainda não é o mesmo que comer a comida em seu estado ativo e vivo. Mesmo que uma pessoa coma 90% de comida viva, se ainda tiver desequilíbrios em sua saúde, seria bom tomar suplementos de enzima. 
  1. Como a idade se correlaciona com uma reserva enzimática decrescente, a suplementação enzimática deveria, teoricamente, desacelerar o processo de envelhecimento, construindo as enzimas e extinguindo os radicais livres. Por esta razão, eu agora recomendo que todos usem suplementos de enzimas, incluindo aqueles que estão comendo 100% de alimentos vivos. Estas enzimas alimentares vivas podem ser encontradas em qualquer loja de produtos naturais. 
  1. Durante as doenças agudas e crônicas, muitas vezes há um esgotamento enzimático que pode ser aliviado pela suplementação enzimática. Nas minhas observações clínicas, assim como nas de outros, a suplementação enzimática parece aumentar a taxa de recuperação. 
  1. Descobri que as pessoas com distúrbios digestivos, desequilíbrios das glândulas endócrinas, desequilíbrios do açúcar no sangue, diabetes, obesidade, excesso de colesterol, problemas relacionados ao estresse e inflamações artríticas parecem se beneficiar da suplementação enzimática. Dr. W.W. Oelgoetz mostrou que as gorduras parcialmente digeridas, proteínas e moléculas de carboidratos entram no sistema sanguíneo quando as enzimas do sangue se tornam muito baixas. Ele observou que quando ele dá aos clientes suplementos orais de amilase, lipase e proteases, as alergias que parecem estar associadas a essas moléculas incompletamente digeridas diminuem. Assim, a suplementação enzimática pode ser um suporte para o sistema imunológico. 
  1. Enzimas ajudam o processo de desintoxicação porque liberam mais energia enzimática metabólica para este trabalho. 
  1. Uso promotor da saúde de enzimas proteolíticas. 

Resumo da Importância das Enzimas 

Neste ponto, um resumo sobre a importância das enzimas seria útil. Enzimas contêm o poder da própria força vital. Comer uma dieta de alimentos vivos ajuda a manter a qualidade e a quantidade de nosso pool de enzimas e, portanto, mantém nossa saúde e longevidade. As enzimas não são simplesmente catalisadores que fazem a digestão e todos os processos metabólicos funcionam; eles são proteínas vivas que direcionam a força vital para nossos processos bioquímicos e metabólicos básicos. Eles até ajudam a reparar nosso DNA e RNA. As enzimas ajudam a transformar e armazenar energia, produzem hormônios ativos, participam de seu próprio ciclo de produção, dissolvem a fibrina e, assim, evitam a coagulação, e têm efeitos anti-inflamatórios, efeitos anti-edematosos e até mesmo efeitos analgésicos. A pesquisa sugere que eles também equilibram e melhoram o sistema imunológico; ajudar a curar câncer, esclerose múltipla, doenças reumáticas e artrite; minimizar o efeito de lesões atléticas; diminuir o tempo de recuperação de lesões; e ajuda na digestão. 

Com a idade, sob estresse ou após a doença, a quantidade de enzimas diminui em nossos corpos. As enzimas são críticas para nossa saúde. À medida que diminuem, nossa capacidade de realizar as tarefas que mantêm o corpo saudável também diminui. O envelhecimento acontece quando as enzimas diminuem a concentração no corpo. Alguns pesquisadores de enzimas e professores de comida viva, como Ann Wigmore, acreditam que a preservação de enzimas é o segredo da longevidade. 

Uma maneira de preservar o estoque de enzimas do corpo é ingerir alimentos vivos ou crus porque os alimentos em seu estado natural são carregados de enzimas digestivas e outras enzimas. Outra maneira de melhorar o pool de enzimas é adicionando enzimas digestivas naturais para apoiar a digestão e criar ainda menos de um dreno enzimático no sistema. Pode-se também tomar enzimas proteolíticas que quebram as proteínas em aminoácidos livres. Estes incluem as enzimas protease bromelaína e papaína entre as refeições em uma base regular, ou certas misturas de enzimas terapeuticamente. Com o passar do tempo, fiquei mais impressionado com a eficácia da adição de enzimas ao sistema como medida antienvelhecimento natural, preventiva e / ou por razões terapêuticas. Isso inclui enzimas digestivas em geral e enzimas proteolíticas especificamente.

(*) Fontes: Tree of Life. O dr. Gabriel Cousens é um médico homeopata, diplomata do Conselho de Medicina Holística dos Estados Unidos, diplomado em medicina Ayurvedica. Há 35 anos desenvolve um programa de cura natural do diabetes, com sucesso extraordinário. É o fundador e diretor do Instituto Tree of Life (onde se pratica a Dieta do Arco-Íris, a Nutrição Funcional e Alimentação Consciente), no Arizona, Estado Unidos. É autor de nove livros aclamados internacionalmente.

Nutricão Evolutiva - Dr. Gabriel Cousens - Editora Alaúde.  

(**) Tradução: Fernando Trucco especialmente para o Doce Limão - Professional Translations. Reprodução permitida desde que indicada a fonte e o tradutor.


 

Lojas Doce Limão

Os livros da Conceição Trucom e os produtos do Doce Limão podem ser encontrados em nossas lojas parceiras. Clique e adquira já.

 


* Conceição Trucom
 é química, cientista, palestrante e escritora sobre temas voltados para alimentação natural, bem-estar e qualidade de vida.

Reprodução permitida desde que mantida a integridade das informações e citadas a autora e a fonte: www.docelimao.com.br

Vamos ser amigos?

Inscreva-se para receber gratuitamente o Boletim Doce Limão e ainda leve de brinde a Apostila de Meditação, em formato PDF.

Se além disso você também deseja ter acesso a todos os nossos cursos online e conteúdos exclusivos, seja um Assinante Doce Limão. Clique aqui!

Siga-nos no Facebook

Clique aqui para conferir todos os eventos.

Comentários e perguntas

 Caro leitor,

Ficou com alguma dúvida sobre este artigo? A área de comentários e perguntas é exclusiva para assinantes Doce Limão. Por apenas R$ 15 mensais, você terá acesso a todo conteúdo exclusivo, como palestras, cursos online e muito mais, além de poder enviar perguntas, que serão respondidas pela Conceição Trucom e equipe.

 

Saiba mais e assine