Maçã - Boa por inteiro

Maçã - Boa por inteiro

Por Deli Oliveira (*)

A Maçã possui nutrientes que auxiliam nas funções digestivas e circulatórias, substâncias que ajudam na prevenção de doenças.

Na literatura e no imaginário popular a maçã aparece associada à sedução, quando não, como agente involuntário de algum desígnio malévolo. Basta lembrar de histórias infantis como Branca de Neve ou Bela Adormecida, nas quais a donzela sofre o efeito de um feitiço ou envenenamento ao ingerir uma maçã. Essa aura talvez se deva ao fato de, desde a antiguidade, a fruta ser utilizada em feitiços de amor. Na prática, porém, de mal a maçã só guarda alguma semelhança na sonoridade de seu nome científico: Malus spp. De resto, o alimento só faz bem ao ser humano.

Com alto valor nutricional, a maçã auxilia nas funções digestivas e circulatórias, entre outros benefícios, e possui propriedades funcionais.

Os principais nutrientes desta fruta são fósforo, cobre, potássio, cálcio, frutose, fibras, sódio e vitaminas A, B e C. Segundo o nutrólogo José Alves Lara Neto, professor de Nutrologia e vice-presidente da Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN), uma das substâncias mais importantes encontradas na maçã é a pectina, uma fibra solúvel não absorvida pelo intestino que retém água e diversas substâncias residuais, facilita a eliminação de toxinas junto com as fezes, promove a proteção da mucosa intestinal e auxilia no tratamento da diarreia.

A pectina ajuda na redução do LDL-colesterol, pois absorve os ácidos biliares e mobiliza mais colesterol para produzir esses ácidos. Para diabéticos também é altamente recomendável, porque reduiz a absorção da glicose, assim como a velocidade de liberação da mesma na corrente sanguínea. Com isso, diminui o pico de insulina, pois, quando há liberação muito rápida de glicose no sangue:

- No caso dos não diabéticos haverá pronta liberação de insulina pelo pâncreas, a qual irá transformar o excesso de glicose em depósito de gorduras.

- No caso dos diabéticos ou ele toma insulina ou terá sérios problemas metabólicos, podendo até ser letal.

O consumo diário da maçã, sua pectina e poder adstringente irá evitar a formação de cálculos vesicais pois, à medida que os ácidos biliares que voltariam para o fígado, saturados de colesterol, são eliminados, acontece uma ação evidente de DESINTOXICAÇÃO.

De baixo valor calórico (em média 55 kcal/100 gramas), a maçã também auxilia na perda ou manutenção do peso. Isso ocorre, de acordo com o médico, porque, ao diminuir o colesterol devido à ação da pectina, o organismo é obrigado a gastar suas reservas  de gordura.

A maçã contém ainda substâncias que auxiliam no bom funcionamento do sistema cardiovascular, pois o potássio, importante fonte para a geração de energia para os músculos e mediador de transmissões nervosas na célula, auxilia na eliminação de sódio e, consequentemente, propicia redução da pressão arterial. Entre as substâncias capazes de auxiliar na prevenção de doenças também está a quercetina, que atua no bloqueio da formação de coágulos sanguíneos, que podem levar a um acidente vascular.

PODER DA CASCA

A maior parte das substâncias benéficas à saúde, principalmente com atividade antioxidante, está concentrada na casca da maçã, segundo estudos realizados pelo Grupo de Trabalho sobre a Maçã (GTM), do qual faz parte o engenheiro agrônomo e professor de Tecnologia de Frutas do curso de Engenharia de Alimentos da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), no Paraná, Alessandro Nogueira. "Avaliamos os compostos fenólicos nas diversas partes da maçã - epicarpo, mesocarpo e endocarpo - e o resultado foi que na casca tem de 3 a 10 vezes mais atividade antioxidante do que a polpa, devido principalmente aos polifenóis", relata.

Alessandro Nogueira acrescenta que pesquisas também demonstraram que a ingestão in natura da fruta é mais benéfica do que o consumo de fenóis separadamente, por meio de cápsulas. Isso ocorre devido ao fato de a mistura dos compostos fenólicos com as fibras da maçã potencializarem a ação contra a formação de radicais livres e aumentarem a proteção contra uma série de enfermidades, como alguns tipos de tumor, doenças cardiovasculares e diabetes.

As linhas de pesquisa do GTM - que envolvem equipe multidisciplinar de pesquisadores - avaliaram mais de 30 cultivares existentes em solo brasileiro e estabeleceram uma escala de atividade antioxidante que deverá ser publicada em breve.

AGROTÓXICOS

O pesquisador rechaça a ideia de que o consumo da casca poderia trazer riscos devido à concentração de agrotóxicos e argumenta que, no caso da maçã, esse risco é maior durante a safra, mas, a fruta não absorve o veneno internamente e, na casca, o produto se degrada no período entre duas a três semanas. "Como a fruta é armazenada geralmente em câmaras frias por um período de até nove meses após a colheita, o agrotóxico se degrada até ser consumido", garante o engenheiro.

Para evitar quaisquer riscos, porém, Alessandro Nogueira sugere uma medida para acelerar a remoção de possíveis substâncias tóxicas da casca: mergulhar a fruta em água com bicarbonato (em uma proporção de uma colher de sopa de bicarbonato para cada litro de água) e deixá-la por uma hora. Essa imersão reduz de 70% a 90% possíveis residuos de agrotóxico.

(*) Texto extraído e adaptado da Revista Super Saudável - Yakult do Brasil - Ano X / 46 - Abril/Junho 2010

Vamos ser amigos?

Inscreva-se para receber gratuitamente o Boletim Doce Limão e ainda leve de brinde a Apostila de Meditação, em formato PDF.

Se além disso você também deseja ter acesso a todos os nossos cursos online e conteúdos exclusivos, seja um Assinante Doce Limão. Clique aqui!

Siga-nos no Facebook

Clique aqui para conferir todos os eventos.

Comentários e perguntas

 Caro leitor,

Ficou com alguma dúvida sobre este artigo? A área de comentários e perguntas é exclusiva para assinantes Doce Limão. Por apenas R$ 15 mensais, você terá acesso a todo conteúdo exclusivo, como palestras, cursos online e muito mais, além de poder enviar perguntas, que serão respondidas pela Conceição Trucom e equipe.

 

Saiba mais e assine