Dr. Hideki Soja da Universidade de Tsukuba *
Em 23 de outubro de 2015 
Tradução: Fernando Trucco da Professional Translations

“Mens sana in corpore sano” 

É amplamente reconhecido que a nossa capacidade física é refletida em nossa habilidade mental, especialmente à medida que envelhecemos. 

Mas, como o bem estar físico afeta nosso cérebro?

Comentário Conceição Trucom: sou uma neurocientista por absoluta paixão, tanto que reuni todas as minhas inquietações, descobertas e reflexões no meu livro Mente e Cérebro Poderosos (editora Pensamento-Cultrix). E minha pergunta sempre vai mais longe: como manter o cérebro vivo e jovem? E, este estudo a seguir é bastante bom, vamos conferir?

Estudos de neuroimagens que mostram a atividade de diferentes partes do cérebro forneceram algumas pistas. Até agora nenhum estudo tinha relacionado diretamente  o desempenho físico com a atividade cerebral. 

Conforme relatado na última edição da revista Neuro Image, um novo e revelador estudo liderado pelo Dr. Hideaki Soja da Universidade de Tsukuba, no Japão, mostra, pela primeira vez, a relação direta entre a capacidade física e a função cerebral. Participaram do estudo um grupo de homens adultos, digamos, japoneses 'maduros'. 

Foi descoberto que os homens com melhores condições fisicas se desempenham melhor mentalmente do que os homens fisicamente mais fracos, devido à que os primeiros utilizam áreas do cérebro do mesmo modo que o faziam na juventude. 

À medida que envelhecemos usamos diferentes partes do nosso cérebro. Quando jovens utilizamos principalmente o lado esquerdo do nosso córtex pré-frontal (CPF) para tarefas mentais que envolvem a memória de curto prazo, a compreensão do significado das palavras e a capacidade de reconhecer eventos prévios, objetos ou pessoas. 

Na idade adulta, temos a tendência de usar as áreas equivalentes do lado direito de nosso CPF para essas tarefas. O CPF está localizado na parte frontal do cérebro, logo atrás da testa. Ele desempenha tarefas na função executiva, memória, inteligência, linguagem e visão.

 

Os adultos jovens favorecem o uso do lado direito do CPF para tarefas que envolvam o armazenamento e manipulação da memória, a memória de longo prazo e o controle inibitório temporário, enquanto os adultos maiores utilizam tanto o lado direito como o esquerdo do CPF. 

Na verdade, com o passar dos anos, tendemos a usar os dois lados do CPF para realizar tarefas mentais, em vez de apenas um. Esse fenômeno tem sido denominado HAROLD,  pelas siglas em Inglês (mas em português significa redução da assimetria hemisférica em adultos maiores), e reflete a reorganização do cérebro como compensação da capacidade e eficiência cerebral reduzidas devido ao declínio estrutural e fisiológico relacionado com a idade. 

No estudo de Neuro Image, 60 homens com idade entre 64-75 anos, foram submetidos a um teste de exercícios para medir a sua capacidade física aeróbica. Os grupo de homens que apresentaram grande variabilidade física realizaram um teste para medir a atenção seletiva, a função executiva e o tempo de reação. 

O teste de Stroop, conhecido como “palavra e cor correspondentes” consiste em que o sujeito avaliado deve indicar a cor das letras da palavra (como azul, verde ou vermelha) em vez de ler a palavra em si. Isto é mais difícil do que parece.

 

Quando a cor das letras da palavra não coincide com a palavra - azul, vermelho ou verde - o cérebro leva mais tempo para reagir. Este tempo de reação é interpretado como uma medida da função cerebral. 

A atividade na região do CPF dos cérebros foi medida usando uma técnica de neuro imagem única chamada “espectroscopia no infravermelho próximo funcional” ou FNIRS. 

Esta técnica fornece uma medida da concentração de oxigênio no sangue que circula nos vasos sanguíneos superficiais, indicativos de atividade nas camadas exteriores do cérebro. Para isto utilizou-se um conjunto de sensores portáteis distribuídas sobre a cabeça. 

As células cerebrais ativas necessitam de sangue oxigenado fresco, o que provoca o deslocamento do sangue de uma região para outra. A técnica do FNIRS mede as mudanças na cor entre o vermelho do sangue oxigenado e o azul do sangue não oxigenado, e assim é medida indiretamente a atividade do cérebro. 

Os resultados dos testes foram combinados e extensivamente analisados estatisticamente para explorar as associações entre a capacidade aeróbica, o tempo de reação e a atividade cerebral durante o teste Stroop. 

Como previsto, para os adultos mais idosos, o teste Stroop mostrou atividade em ambos os lados do CPF, sem qualquer diferença entre direita e esquerda, verificando-se o fenômeno HAROLD para este grupo de pessoas. Estudos anteriores tinham demonstrado que os adultos jovens tendem a favorecer o lado esquerdo do CPF para esta tarefa. 

A análise da relação entre a atividade cerebral e o tempo de reação revelou que aqueles sujeitos que favoreceram o lado esquerdo do CPF durante a realização do teste têm tempos de reação mais rápidos. Isso indica que os adultos mais idosos que usam mais o lado esquerdo do cérebro (relacionado com a juventude) conseguem melhores resultados no teste. 

Em seguida, foi analisada a associação entre o condicionamento aeróbico e o tempo de reação. O resultado mostrou que os indivíduos com melhores condições físicas apresentaram tempos de reação mais curtos.

 
Considero o alongamento uma atividade física primorosa para o cérebro.

Com base nestes achados, os pesquisadores previram corretamente como resultado do teste que uma maior capacidade aeróbica está associada com uma maior atividade do lado esquerdo do CPF. Em outras palavras, os indivíduos mais aptos fisicamente tendem a usar “o lado mais jovem” de seus cérebros. 

Estudos anteriores não tinham examinado a interação entre os três fatores sob investigação deste estudo - condicionamento aeróbico, desempenho mental e ativação do cérebro.

 
E a Terapia do Riso é atividade física COMPLETÍSSIMA para o cérebro: oxigena,
enche de endorfinas e cataliza as integrações neuronais.

Usando testes estatísticos inteligentes conhecidos como “análises de mediação” os pesquisadores descobriram que os adultos maiores com melhores condições aeróbicas podem executar melhor as suas tarefas mentais do que os menos aptos fisicamente. 

Na verdade, os homens mais idosos e fisicamente mais capazes utilizam o cérebro
da mesma forma que o faziam quando eram mais jovens. 

Mas, como isto acontece? O Professor Soya explica que "uma possível causa sugerida pela pesquisa é que o volume e a integridade da substância branca da parte do cérebro que liga os dois lados declina com a idade. E existe alguma evidência para apoiar a teoria de que os adultos fisicamente mais fortes têm a capacidade de manter melhor esta substância branca do que os adultos menos aptos. Novos estudos serão necessários para confirmar esta teoria." 

Se você é uma mulher da terceira idade, talvez goste de saber se estes resultados podem ser aplicados ao cérebro feminino, ou bem ambos sexos podem desejar saber se o aumento da capacidade aeróbica favorece a função mental em forma ampla. 

Embora não tenhamos ainda todas as respostas, acho bom se preparar para uma boa caminhada, nadada, risada: rápido, saia da cadeira! 

Leia também: Como ligar, ativar e turbinar o cérebro I - Hidratar

Fortaleça o cérebro com exercícios físicos

Lembre de alimentar seu cérebro

Fonte: Science Daily

(*) The association between aerobic fitness and cognitive function in older men mediated by frontal lateralization. NeuroImage, 2015; DOI: 10.1016/j.neuroimage.2015.09.062

(**) Fernando Trucco, Professional Translations. Reprodução permitida, desde que citada a fonte e o tradutor. 

 


 

Lojas Doce Limão

Os livros da Conceição Trucom e os produtos do Doce Limão podem ser encontrados em nossas lojas parceiras. Clique e adquira já.