Agricultura, Biodiversidade & Mudanças Climáticas

Pérolas do PROJETO NAVDANYA*Fundado por VANDANA SHIVA - Parte 1

“Sobre esse punhado de terra nossa sobrevivência depende. Cuide disso, e isso aumentará nossa comida, nosso combustível, nosso abrigo e nos cercará de beleza. Abuse-o e o solo entrará em colapso e morrerá, levando a humanidade consigo”. Os antigos Vedas reconheciam o solo como base da sobrevivência. "Esquecer como cavar a terra e cuidar do solo é esquecer de nós mesmos." - Mahatma Gandhi 

A agricultura industrial e um sistema alimentar globalizado são responsáveis ​​por 40% de todas as emissões de gases de efeito estufa. As monoculturas químicas também são mais vulneráveis ​​ao fracasso no contexto de um clima instável. As monoculturas industriais e químicas, juntamente com nosso sistema alimentar globalizado, estão contribuindo diretamente para a mudança climática em uma extensão terrível. Um relatório de grãos sobre a Soberania Alimentar, baseado em Barcelona (Espanha) conclui que “o atual sistema alimentar global, impulsionado por uma indústria alimentar transnacional cada vez mais poderosa, é responsável por cerca de metade de todas as emissões de gases de efeito estufa produzidos pelo homem: 44%, para um máximo de 57%.” 

A disseminação de monoculturas e o uso crescente de fertilizantes químicos na agricultura, combinados com a destruição de habitats, contribuíram para a perda de biodiversidade. Paradoxalmente, essa biodiversidade teria ajudado a sequestrar os gases do efeito estufa. Três anos depois do Rio, a Conferência das Nações Unidas sobre Recursos Genéticos de Plantas, em Leipzig, avaliou que 75% da biodiversidade mundial havia desaparecido na agricultura por causa da Revolução Verde e da agricultura industrial. Segundo estimativas da FAO, 70-90% do desmatamento global é devido à agricultura industrial, empurrando suas monoculturas mais e mais para dentro das florestas, para cultivar commodities para exportação - não para alimentos. Desaparecimento de polinizadores e organismos benéficos do solo são outras dimensões da erosão da biodiversidade devido à agricultura industrial.

A transição para uma agricultura intensiva em biodiversidade e intensiva em termos ecológicos aborda a crise climática e a crise da biodiversidade simultaneamente, ao mesmo tempo em que aborda a crise alimentar. Embora a agricultura industrial seja um dos principais contribuintes para a mudança climática e mais vulnerável a ela, há uma tentativa da indústria de biotecnologia de usar a crise climática como uma oportunidade para impulsionar os transgênicos e aprofundar seu monopólio sobre o suprimento global de sementes através da biopirataria. Patentes baseadas em sementes resilientes ao clima, que foram criadas por agricultores ao longo de gerações. As características resilientes ao clima tornar-se-ão cada vez mais importantes em tempos de instabilidade climática e, no sistema atual, permitirão que as empresas explorem os agricultores e os consumidores, possuindo os direitos sobre essas plantas.

O Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) reconheceu que, desde 1750, o efeito líquido das atividades humanas sobre o clima da Terra tem sido de alerta. Certamente, a base antrópica para as mudanças climáticas passou de 66% para mais de 90%.

Uma nova pesquisa publicada em 2 de março de 2016 no The Lancet descobriu que, ao tornar os alimentos menos disponíveis, as mudanças climáticas poderiam responder por mais de 500.000 mortes humanas até 2050. Os pesquisadores assumiram um cenário em que a temperatura do ar em 2050 será cerca de 2 graus mais quente do que era entre 1986 e 2005. De acordo com a pesquisa, onde a agricultura é prejudicada por mais seca, calor e inundação, cada pessoa teria 3,2% a menos de comida em seus pratos todos os dias. Além disso, até 2050, sob esse mesmo cenário de mudança climática, podemos antecipar que a pessoa média comerá menos 4% de frutas e vegetais. Saiba mais AQUI 

Regenerando o carbono vivo no solo através da agricultura biológica

A matéria orgânica do solo compreende um acúmulo de resíduos vegetais e animais parcialmente desintegrados e decompostos e outros compostos orgânicos sintetizados pelos micróbios do solo à medida que o decaimento ocorre. Esse material está sendo continuamente decomposto e re-sintetizado por micro-organismos do solo. Consequentemente, a matéria orgânica (carbono do solo) é um constituinte bastante transitório do solo, com duração de algumas horas a várias centenas de anos. Essa constante manutenção acontece pela necessária adição regular ao solo de resíduos vegetais e/ou animais. Para resolvermos o efeito adverso da mudança climática, a manutenção do carbono do solo é muito importante e pode ser feita apenas pela agricultura orgânica, biodiversa.

Aumento na produção total de carbono provocado por uma agricultura biológica (orgânica e biodiversa) versus uma agricultura química foi estudada sob diferentes agro-ecossistemas. O resultado mostrou um aumento adicional de 62,5 a 83 μg g-1 de carbono no solo na agricultura orgânica, independentemente do crescimento da cultura. Em geral, o acúmulo de carbono foi em agro-ecossistemas mais úmidos. O acúmulo adicional de Carbono foi mais sob agricultura orgânica e ajudaria definitivamente em um melhor ambiente no solo para o crescimento microbiano, reciclagem de nutrientes e retenção de umidade do solo. Também ajuda na redução da erosão do solo, especialmente em áreas áridas e semi-áridas.

O solo é um sistema vivo, uma entidade viva. A vida no solo (organismos do solo, macro e micro) não apenas ajuda a agricultura, mas a humanidade como um todo. Então, para manter o solo vivo, é importante:

  • Incorporar alimentos de matéria orgânica para organismos vivos;
  • Protegê-lo da erosão e
  • Parar de usar produtos químicos e adotar práticas orgânicas e agroecológicas para a gestão da saúde do solo.

O solo fornece a base de toda a vida vegetal, animal e humana na Terra. Um solo saudável sustenta o crescimento das plantas, tem a capacidade de purificar ar e água e protege a saúde animal e humana. Não se pode imaginar sobre comida sem solos. Não pode haver comida saudável sem solos saudáveis. Os solos são vitais para qualquer ecossistema que desempenhe um papel fundamental nos ciclos de carbono, armazenando e filtrando a água, melhorando a resiliência a diferentes condições climáticas, como inundações e secas, etc.

O trabalho de Navdanya sobre as mudanças climáticas mostra que os esforços que mitigam as mudanças climáticas não apenas contribuem para a adaptação, mas também contribuem para a justiça climática e ecológica. Nossas três áreas de foco são:

- Mudança Climática e Agricultura 
- Mudança Climática no Himalaia

Banco Comunitário de Sementes

A diversidade é uma das principais características da natureza e é a base da estabilidade ecológica. Diversos ecossistemas dão origem a diversas formas de vida e culturas diversas, que são a base da sustentabilidade.

As comunidades em todo o mundo cultivaram o conhecimento e encontraram maneiras de obter seu sustento da generosidade da natureza, tanto em formas selvagens quanto domésticas.

A Índia é o lar de uma incrível diversidade de cultivos silvestres e cultivados. Durante e após a introdução da Revolução Verde, a ênfase mudou amplamente para aumentar o rendimento de grãos - como conseqüência, por exemplo, apenas certas variedades de arroz e trigo, aqueles que eram capazes de dar altos rendimentos em resposta à aplicação de agroquímicos foram selecionados e selecionados. promovido. Como resultado, a base genética diminuiu consideravelmente e várias variedades tradicionais estão agora no meio da extinção.

Para conservar a agrobiodiversidade, a Navdanya começou a estabelecer bancos de sementes comunitários e a identificar criadores de sementes / produtores de sementes em diferentes zonas agro-ecológicas da Índia. Estes bancos comunitários de sementes são um passo para a identificação e conservação de importantes variedades tradicionais de sementes. Estes também ajudam a orientar a comunidade agrícola para a conservação e cultivo de culturas e variedades tradicionais e altamente nutritivas.

(*) SIGNIFICADO DO NOME DO PROJETO

Navdanya significa “nove sementes” (simbolizando a proteção da diversidade biológica e cultural) e também o “novo dom” (para sementes comuns), baseadas no direito de salvar e compartilhar sementes. No contexto atual de destruição biológica e ecológica, as sementes são os verdadeiros doadores. Este presente ou “dana” de Navadhanyas (nove sementes) é a dádiva suprema - é uma dádiva de vida, de herança e continuidade. As sementes crioulas e tradicionais conservam a biodiversidade, conservam o conhecimento da semente e sua utilização.

SOBRE O PROJETO

Navdanya é uma rede de plantadores de sementes e produtores orgânicos espalhados por 22 estados da Índia.

Navdanya ajudou a criar 122 bancos de sementes comunitários em todo o país, treinou mais de 9.000.000 agricultores em soberania de sementes, soberania alimentar e agricultura sustentável nas últimas duas décadas, e ajudou a criar a maior rede orgânica de comércio direto do comércio justo no País. Navdanya também montou um centro de aprendizado, Bija Vidyapeeth (Escola da Semente / Universidade de Terra) em sua conservação de biodiversidade e fazenda orgânica em Doon Valley, Uttarakhand, norte da Índia. 

Navdanya está ativamente envolvido no rejuvenescimento do conhecimento e cultura indígena. Criou a conscientização sobre os riscos da engenharia genética, defendeu o conhecimento das pessoas sobre a biopirataria e os direitos alimentares em face da globalização e da mudança climática. 

Navdanya é um movimento centrado nas mulheres para a proteção da diversidade biológica e cultural.

Continuará em Parte 2 Agricultura Orgânica e Solos Vivos: Soluções para a Pobreza da Fome e as Mudanças Climáticas


 

Lojas Doce Limão

Os livros da Conceição Trucom e os produtos do Doce Limão podem ser encontrados em nossas lojas parceiras. Clique e adquira já.