Aditivos Alimentares & Distúrbios de comportamento

Aditivos Alimentares & Distúrbios de comportamento

Mônica de Oliveira Costa *

O maior problema com a criançada é que os sistemas digestório e urinário ainda não estão totalmente preparados para processar uma alimentação que contém aditivos. Na saúde infantil, a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação e a Organização Mundial de Saúde recomendam que não sejam utilizados aditivos em produtos alimentares destinados a crianças menores de um ano.

Os aditivos alimentares têm sido usados por séculos: nossos ancestrais usavam sal para preservar carnes e peixes; adicionavam ervas e temperos para melhorar o sabor dos alimentos; preservavam frutas com açúcares e conservavam pepinos e outros vegetais com vinagre. Entretanto, com o advento da vida moderna, a cada ano, mais aditivos têm sido empregados.

Aditivos alimentares são substâncias utilizadas sem propósitos nutricionais. “Eles têm como finalidade impedir alterações nos alimentos, manter, conferir ou intensificar seu aroma, cor e sabor, modificar ou manter seu estado físico geral ou exercer qualquer ação exigida para uma boa tecnologia de fabricação do produto", explica Silvio José Ferreira de Souza, professor do curso de Engenharia de Alimentos da Unesp (Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho).

A existência de vários produtos modernos, tais como os de baixo valor calórico, fast-food, salgadinhos embalados (snacks), não seria possível sem os aditivos atuais. Estes são usados para preservar os alimentos, melhorar o seu aspecto visual, seu sabor e odor, e estabilizar sua composição. O número de aditivos atualmente empregados é enorme, mas todos eles passam por uma regulamentação federal antes do seu uso: alguns são permitidos somente em certas quantidades, enquanto que outros já foram banidos de nosso cardápio. E são dos laboratórios de química que saem, anualmente, novos aditivos.

O JECFA, comitê científico formado por especialistas da FAO (Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação) e da OMS (Organização Mundial da Saúde), realiza periodicamente avaliações toxicológicas dos aditivos alimentares, por meio de testes com animais e dados epidemiológicos, e estabelece a ingestão diária aceitável dessas substâncias.

No Brasil, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) é o órgão que regulamenta e fiscaliza o uso dos aditivos. É ela quem determina que aditivos podem ser utilizados em cada tipo de alimento, bem como a quantidade permitida em cada caso.

A ProTeste - Associação Brasileira de Defesa do Consumidor realizou uma pesquisa com molhos para salada industrializados e detectou que muitos deles contêm o conservante ácido benzóico, liberado no Brasil, mas apontado por muitos estudos como potencial causador de hiperatividade em crianças.

As principais características do Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) na infância são a desatenção, a hiperatividade e a impulsividade. Além destas características básicas do transtorno, em mais de 50% dos casos, as crianças apresentam transtornos do aprendizado, do humor e de ansiedade.

Em pesquisa recente feita pela Universidade de Southampton, na Inglaterra, e publicada na revista científica Lancet, concluiu que corantes à base de benzoato e conservantes encontrados em alimentos infantis e refrigerantes podem estar relacionados à hiperatividade e distúrbios de concentração em crianças.

Os especialistas frisaram que são necessários estudos mais profundos para confirmar a prevalência da hiperatividade relacionada aos corantes e conservantes alimentares. Das crianças analisadas, 36 tinham hiperatividade e alergias, 75 eram apenas hiperativas, 79 tinham apenas alergias e 87 não apresentaram nenhum sintoma. De acordo com os pais das crianças hiperativas, o distúrbio diminuiu depois que eles deixaram de consumir alimentos com as substâncias. A hiperatividade subiu quando corantes e conservantes voltaram à alimentação das crianças. Os pesquisadores concluíram que apesar de muitos outros fatores estarem envolvidos nessa questão, a ingestão de aditivos poderia ser evitada pelas crianças.

A questão de que se os aditivos químicos dos alimentos afetam ou não o comportamento das crianças levanta controvérsias há décadas.

Até os anos 50, a coloração feita por fabricantes de alimentos era um processo simples basicamente através de recursos naturais. Por exemplo, quando queriam colorir uma bala de vermelho eles usavam beterraba; o verde era à base de clorofila de plantas e assim por diante. Entretanto a indústria química crescia rapidamente e na sua tentativa de aumentar as vendas eles viram a indústria alimentícia como um excelente cliente em expansão.

Entre as vantagens oferecidas pelos fabricantes de corantes e conservantes artificiais estava o baixo custo e o significativo aumento no prazo que os alimentos levariam para estragar nas prateleiras.

A preocupação das autoridades em relação à segurança dos alimentos era mínima, sem levar em consideração o impacto que determinadas substâncias poderiam ter no comportamento humano. À medida que o mundo começou a se conscientizar que fatores ambientais durante as primeiras fases da vida poderiam ter profundas e duradouras conseqüências no desenvolvimento do indivíduo, reconheceu-se também que ingredientes aparentemente inofensivos como os aromatizantes e corantes artificiais usados para realçar a cor e aparência dos alimentos poderiam ter sérias conseqüências com o uso prolongado.

Foi assim que o famoso corante C2 (FD & C Red No. 2) foi proibido para utilização em alimentos devido à comprovação de que produzia câncer em animais.

"Alguns aditivos podem ser substituídos por novos sistemas de embalagem e de processamento dos alimentos", lembra Paulo Roberto Nogueira Carvalho, diretor técnico do Centro de Ciência e Qualidade de Alimentos do ITAL (Instituto de Tecnologia de Alimentos), em Campinas. É o caso do leite longa vida, que passa por uma ultra pasteurização, é processado e envasado de forma asséptica e, por isso, não exige conservantes. Além disso, ele ressalta que substâncias como corantes são utilizadas pela indústria apenas para atender a uma expectativa de aparência do produto por parte das pessoas.

Há públicos que são ainda mais vulneráveis ao consumo dos aditivos, como gestantes, idosos, pessoas que têm alimentação pouco variada e, principalmente, crianças menores de três anos.
O maior problema com a criançada é que os sistemas digestório e urinário ainda não estão totalmente preparados para processar uma alimentação que contém aditivos. Na saúde infantil, a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação e a Organização Mundial de Saúde recomendam que não sejam utilizados aditivos em produtos alimentares destinados a crianças menores de um ano.

Apesar disso, é importante ressaltar que há vários produtos no mercado para crianças menores de um ano que contêm aditivos, como iogurtes, gelatinas, refrigerantes, biscoitos, balas, dentre outros.

O que você pode fazer

Quanto mais industrializado o produto, mais aditivos químicos ele terá. Quanto mais distante o local de sua produção, como os alimentos importados; mais conservantes terá. Por isso, o ideal é que você prepare os alimentos frescos em casa. Como isso nem sempre é possível, seguem algumas dicas para diminuir o consumo de aditivos químicos:

•    Leia o rótulo e escolha os produtos com menos aditivos. Esta informação está na lista de ingredientes, que é apresentada em ordem decrescente de concentração no produto.

•    Prefira alimentos simples, menos industrializados e procure prepará-los em vez de utilizar produtos produzidos industrialmente.

•    Evite o consumo de embutidos (salsicha, lingüiça, mortadela).

•    Não coma alimentos fortemente aromatizados e reaprenda a apreciar o sabor dos alimentos ao natural.

•    Evite produtos com cores muito vivas, que revelam a presença de corantes.

•    Evite açúcares e edulcorantes (adoçantes).

 

Aditivo alimentar
Principais Funções
Acidulante
Aumentar a acidez ou conferir sabor ácido aos alimentos
Agente de Firmeza
Tornar ou manter frutas ou hortaliças firmes e crocantes
Agente de Massa
Aumentar o volume e/ou a massa dos alimentos sem contribuir significativamente com aumento no valor energético dos mesmos
Antiespumante
Prevenir ou reduzir a formação de espuma
Antioxidante
Retardar o aparecimento de alterações oxidativas (ou seja, sabor e odor de ranço) dos alimentos.
Antiumectante
Reduzir a umidade dos alimentos
Aromatizante / Flavorizante
Conferir ou reforçar o aroma e / ou o sabor dos alimentos
Conservador
Impedir ou retardar alterações e /ou deteriorações nos alimentos, provocadas por microrganismos (bactérias, fungos).
Corante
Conferir, intensificar ou restaurar a cor dos alimentos.
Edulcorante
Conferir sabor doce aos alimentos, sem a utilização de açúcares.
Emulsionante /Emulsificante
Permitir a mistura de duas ou mais substâncias imiscíveis, ou seja, que não se misturam (ex: água e gordura).
Espessante
Aumentar a viscosidade do alimento
Espumante
Possibilitar a formação ou a manutenção de espumas em alimentos líquidos ou sólidos
Estabilizante
Manter a estabilidade / uniformidade da mistura de duas ou mais substâncias imiscíveis
Estabilizante de cor
Estabilizar, manter ou intensificar a cor dos alimentos.
Fermento Químico
Liberar gás com objetivo de aumentar o volume da massa
Glaceante
Quando aplicada na superfície externa do alimento, tem a função de conferir aparência brilhante ou revestimento protetor.
Geleificante
Conferir textura, através da formação de um gel.
Melhorador de Farinha
Quando agregado à farinha, tem a função de melhorar suas características, de acordo com a finalidade a que se destina (fabricação de pães, biscoito, macarrão).
Regulador de Acidez
Alterar ou controlar a acidez ou alcalinidade dos alimentos
Realçador de Sabor
Realçar o sabor ou aroma dos alimentos
Umectante
Proteger os alimentos da perda de umidade

Tabela fornecida pela ANVISA

Leia também: Agrotóxicos e Aditivos

Alergias alimentares

Aditivos alimentares

(*) Mônica de Oliveira Costa é parceira do Doce Limão, co-responsável pelas edições da Revista Especial Kids. Ela é nutricionista formada pela FSP/USP, docente na Escola Técnica de Nutrição Carlos de Campos/SP, acupunturista, estudante de Florais de Bach e atualmente se considera uma pessoa encantada com os benefícios da alimentação crua viva - O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. Fontes:
http://www.equipeharmonica.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=102:aditivos-alimentares-e-hiperatividade&catid=1&Itemid=39

http://nutconsult.com/artigos-hiperatividade.htm

http://noticias.uol.com.br/ultnot/cien ciaesaude/ultnot/2008/02/27/ult4477u347.jhtm

http://daniel-eloi.blogspot.com/2007/09/refrigerantes-aumenta-hiperatividade.html

http://www.proteste.org.br/alimentacao/perigo-no-abuso-de-aditivos-alimentares-s484281/dossies-p168886.htm

http://www.qmc.ufsc.br/qmcweb/artigos/aditivos.html

http://cyberdiet.terra.com.br/cyberdiet/colunas/010908_nut_aditivos_alimentares.htm


 Convido você para ser nosso Assinante Doce Limão, onde serão inúmeras as vantagens e ainda ajudará na sustentabilidade do Doce Limão. Todos saem ganhando: crescidos, fortalecidos!

Confira também em nossa AGENDA todas as Oficinas, Cursos e Palestras 

Lançamento: edição revisada e ampliada do livro O poder de cura do Limão

Todos os títulos

Siga-nos no Facebook

Receba nossos boletins

Inscreva-se para receber gratuitamente o Boletim Doce Limão e ainda leve de brinde a Apostila de Meditação, em formato PDF.

Se além disso você também deseja ter acesso a todos os nossos cursos online e conteúdos exclusivos, seja um Assinante Doce Limão. Clique aqui!